Quem sou eu

Escritora chilena naturalizada brasileira, bacharel em Artes Visuais e Mestre em Arte Educação. Membro da Academia de Letras do Brasil Santa Catarina - Florianópolis, Membro da Academia Boituvense de Artes e Letras - Boituva - SP, Membro da Confederação de Letras e Artes de São Paulo - CONBLA - Editora Chefe da GAPLA Edições em Santa Catarina - Brasil.

Milka Plaza

Milka Plaza

sábado, 27 de abril de 2013

Paradoxo Original

A flor que surge no meu caminho aparece por acaso enquanto procuro um batom. Tom/ tom/ plank/ plum.
O que significa uma flor solitária, perdida no vazio oculto e silencioso de um estojo?
Silêncio, encio, econoeconoeconoeco.
Poema.
Verde plástico
pano pintado de amarelo avermelhado de suportes e formas dadas a ferro e brasa que de uma almofada se formou uma pétala que deu forma a uma flor.
Forma que se desforma quando se quebra como na vida real na qual vivemos ao acaso e no ocaso de cada dia que se desfolha como uma singela rosa.
Vida de mentira para alguns como a flor de plástico nos lembra neste mundo de consumismo e vazios escuros onde os olhares se perdem nas massas disformes da vida.

Poema dadaísta

Tic-tac-tic-tac
tac-tac-tac-tac
Hum, hum
klank, pulum, lelê.
pankilum, pankilum, pankilum
tic, tac, tic, tac
talam, talam, talam, talam
tac-tac-tac-tac
fuuunk, fuuunk, fuuunk
pliiiimp, pliiimp, pliiimp
cof, cof
tic-tac
Hum, hum
klank, pulum
tac-tac
pliiimpk.